Res#3 – Tema 2 /desenhaudio


Desenhaudio

Desenhaudio é a versão AZRecs do famoso projeto eletrônico DRAWDIO (in english). Este circuito é a alegria dos entusiastas dos circuitos, bem como de qualquer pessoa que ponha as mãos nesse objeto. Baseado em circuitos osciladores (40106) ou timers (555, 556), o brinquedo de gente pequena e grande utiliza o contato do grafite como variante de resistência ao invés de um potenciometro. A grande diversão que da origem ao nome do projeto é que ao invés de girar potenciometros ou apertar botões a ação controladora é desenhar e riscar para fazer soar a maquininha!

Desenhaudio from Azucrina! on Vimeo.

A nossa contribuição para o projeto foi colocar jacks p2 tanto para a saida de áudio quanto para a entrada do controle. Desse modo é possível troca a interface facilmente e resistência no transporte.

Durante a oficina desenvolveremos o projeto, desde a queima das placas de cobre até a exploração das interfaces.

Abaixo o esquemático básico do projeto de oscilador de onda quadrada: O esquema usado entre as pernas 1 e 2 pode se repetir respectivamente entre as pernas 3 e 4, 5 e 6, 9 e 8, 11 e 10, 13 e 12 [note como as pernas da parte superior do circuito são espelhadas em relação às de baixo].

Um capacito ligado à perna 1 determina qual será a frequencia de partida do oscilador, quanto menor for a capacitância maior será a frequencia e mais agudo será o som, a escolha do capacitor dependerá muito da resistência. No caso do grafite notamos que desenhos pequenos em papel A4 o melhor é de 100nF [ou comercialmente conhecido como 104] é o mais adequado, para desenhos maiores, em paredes por exêmplo, o de 10nF [comercialmente 103] se saiu melhor. Mas para usos genéricos indeterminados [grafite, LDR entre outro], sugerimos sempre o capacitor de 100nF [104] que dá resultados excelentes e facilmente reconhecíveis. Já a resitência pode variar desde 1M [mais grave] até poucos Ohms [mais agudo]. Note que o ruido grave perde sua aparência de onda e granula, se assemelhando mais a um pulso que uma onda aos nossos ouvidos.

E aqui já desenvolvendo um pouco mais. Como somos mais sensíveis para frequencia a partir de 500Hz o som agudo passa a ser extremamente alto e incômodo, por isso colocamos um potenciômetro atenuador de volume. E no lugar da resistência colocamos a jack p2, desse modo podemos trocar a qualquer momento a resistência.
Abaixo o esquema de qualquer botãode volume. Como o volume do som não é linear, mas logarítmico sempre usamos potenciômetros logarítimicos [comercialmente A, os lineares são conhecidos como B]. Caso não tenha o A podemos usar o B, mas a precisão para volumes muito baixos, próximo do zero será falha, e poderemos ouvir estalos enquanto variamos o potenciômetro entre o zero e os valores baixos. O valor do potenciômetro não importa, pois aqui o que vale é a relação que o pino do meio [output] está entre o sinal puro [input] e o silêncio [terra]. Se giramos o botão totalmente no sentido anti-horário encurtamos o output com o terra. Se giramos totalmente para o sentido horário encurtamos o output com o input e temos o sinal total sem corte. Se o pino do meio está exatamente à mesma distância entre os dois pólos o corte de volume será sempre metade do total. Essa relação será o que determinará qual o percentual de sinal que sairá para o output. Com o potenciômetro virado de costas com os terminais para baixo o sinal entra pelo pino da esquerda e sai pelo do meio e o pino da direita é o terra. Inverter os pinos resultará no oposto, e como a curva logarítimica não é simétrica teremos o mesmo problema dos volumes baixos, além do que, já nos abituamos por reflexo girar o botão no sentido anti-horário, daí, no pânico para abaixar o volume, se o potenciômetro estiver invertido, iremos aumentar o volume ao invés de abaixar.

Abaixo um esquema com as possíveis resistências a serem conectadas ao controlo de frequência do nosso Desenhaudio:

Segue abaixo, em azul, o desenho a ser feito sobre a face de cobre da placa com os marcadores permanentes e os componentes como serão conectados, note que o esquema se espelha ao anterior, já que estamos vendo a placa por baixo e não por cima. Note também que para efeito de simplificar o desenho todos os terra estão separados, mas de fato todos serão conectados juntamente ao terra da placa.

Na aula 3 [sábado dia 29] iremos queimar as placas, perfurá-las e começar a soldagem. Então lembrem-se de levar:

-Marcador permanente de ponta fina

-2 Plugs p2 para cada um

-1 chave de liga e desliga

-circuito integrado 40106

-Soquete torneado para circuito integrado de 14 pinos

-Lembrem-se de levar furadeira!!!!

-Caixinhas para abrigarem os circuitos [podem ser de qualquer material resistente. Sugestão: latas, caixas de charuto,  tupperware]

-Se quiserem cabos de qualidade superior, levem também cabos blindados como os de fone de ouvido ou RCA!

o resto já temos lá!

Até o próximo encontro!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>