Res#3 – Biografia Azucrina Records: Vanessa de Michelis e Manuel Andrade [MG]

Durante os meses de outubro, novembro e dezembro de 2011, os artistas Vanessa De Michelis e Manuel Andrade (fundadores do coletivo Azucrina Records) vão trocar as ladeiras de Belo Horizonte (MG) pelo ensolarado cerrado tocantinense.

Selecionados para a 3ª edição do Circuito de Residências em Educação Arte e Tecnologia do projeto Telinha de CinemaResTelinha, os dois artistas mineiros vão desenvolver bancos sonoros de efeitos e texturas, a partir da criação de sintetizadores e objetos sonoros analógicos e digitais. O objetivo é compartilhar com jovens artistas de Palmas as técnicas, tecnologias e experiências estéticas.

Biografias

clique aqui para ver release completo

Manifesto Azucrina Records

Azucrina Records é um circuito de experimentação eletrônica e sonora.
Atraves das redes colaborativas realizamos atividades em sintonia com transmissões ressonantes: tecnologia artesanal, ouvido ativo e desejo de ruir.

Vanessa de Michelis

É pesquisadora sonora nascida em Belo Horizonte, onde mantém residência fixa. Pesquisa construção de instrumentos e instalações sonoras analógicas e digitais, gravações de campo e objetos em estúdio, criação de bancos de samples e ecologia sonora. Sempre em trânsito, a trabalho ou investigação, utiliza plataformas online, estúdios coletivos e projetos colaborativos como suporte para grande parte de sua pesquisa. É fundadora do coletivo- estúdio multimídia Azucrina.org (2005), da netlabel creative commons Azucrina Records (2008) e do coletivo BRADA (2009- crítica e pesquisa em gênero e tecnologia); no Rio de Janeiro participa do projeto de improvisação eletrônica e pesquisa em Pure Data PDO(2009). No exterior é colaboradora dos sites de investigação sonora Soundtransit (Holanda), Freesound (Bélgica/Espanha) e CC0000 (EUA). Recentemente finalizou o projeto Phonosíntese no Marginalia+Lab (residência em arte e tecnologia em Belo Horizonte – 2009/10) apresentando em performance a versão o.1 do software interativo desenvolvido em Pure Data para extrair dados musicais de niveis altos de ruído urbano. Durante o mês de Maio/Junho de 2010 esteve em viagem pelas ilhas do Caribe e Antilhas, no estágio- residência do Instituto Ecosono- Arte Sonora e Ecoacústica (Universidade da Virginia-EUA), onde trabalhou pesquisando ecologia sonora e gravando sons sub-aquáticos nas ilhas.

Manuel Andrade

Nascido em Belo Horizonte em 1983, formou-sem em arquitetura pela UFMG e é membro
fundador do selo www.azucrinarecords.net, onde atua como produtor de eventos culturais de cunho
autônomo-colaborativo relacionados à arte experimental, música e tecnologia.

Músico experimental, investiga os limites entre a musicalidade e o ruído e arte-tecnologia, além da utilização alternativa de instrumentos musicais tradicionais e suas relações timbrísticas com de sintetizadores e efeitos eletrônicos analógicos construídos pelo próprio artista. É tecladista e clarinetista no conjunto Muda.

Em 2009 realizou como produtor executivo os festivais “Escola Autonoma de Feriado”, “Na Rua na
Rede na Tora” e o “Interferência”. Em 2010, participou da mostra artística nacional da Teia 2010, a convite do curador Bené Fonteles, na exposição Tecendo a Teia – Tradição Atrito e Ruptura em Fortaleza, além de participar da instalação artística “Alumbramento – Casa da Fotografia” na mostra DeVerCidade, também em Fortaleza, e realizar trilha sonora ao vivo na performance “Nós em Fortaleza” na Escola de Audiovisual Vila das Artes; Em Salvador, como produtor artístico da mídia locativa “Devorondina” no Arte.mov – Fest. Int. em Mídias Móveis, Ainda esse ano, em BH, participou do FAD – Festival de Artes Digitais, oferecendo a oficina “Azucrinoise – Monte sue próprio Instrumento Eletrônico” e como produtor cultural realiza o encontro mensal de música noise, o Intersessões.

Comments are closed.